Terapia hormonal e anticoncepcional podem diminuir risco de aneurisma

O uso da pílula anticoncepcional ou da terapia hormonal pode deixar as mulheres menos suscetíveis a sofrer um aneurisma cerebral, segundo pesquisa publicada no Journal of Surgery NeuroInterventional.

O aneurisma se caracteriza pela dilatação anormal de uma artéria cerebral que pode levar ao rompimento de vasos sanguíneos, que, em casos mais graves, pode causar uma hemorragia cerebral (acidente vascular cerebral).

O estrogênio (hormônio feminino), reintroduzido no corpo da mulher ao usar um destes métodos, ajuda a manter a estrutura das paredes dos vasos sanguíneos, promovendo a divisão das células endoteliais no interior das paredes do vaso, fato importante para repará-los se estiverem danificados.

A descoberta foi feita com base em indícios como esses: a mulheres costumam ser mais propensas a ter um aneurisma após os 40 anos, podendo chegar a casos de ruptura dos vasos entre os 50 e 59 anos, mesma época cujas taxas dos hormônios caem, devido à menopausa.

Para chegar à conclusão do estudo, os pesquisadores analisaram respostas de 60 mulheres com aneurisma cerebral sobre o uso da pílula ou da terapia hormonal, o que foi comparado com outras 4.682 mulheres em um público geral.

Estudos anteriores demonstraram que o uso da pílula anticoncepcional oral protege contra derrame hemorrágico na vida adulta, enquanto as mulheres que começam a menstruar cedo ou que não tiveram filhos correm um maior risco.

Os autores dizem que os resultados desse estudo não apenas podem fornecer esclarecimentos adicionais sobre como aneurismas cerebrais se desenvolvem e progridem, mas pode levar a novas terapias para pacientes, seja portadora de um aneurisma cerebral ou com risco de desenvolver um.